Arquivo mensal: outubro 2008

Maria Berenice Dias. Manual de Direito das Famílias.

Padrão

“(…) o fato é que não dispõe a língua portuguesa de uma palavra que permita ao filho identificar quem seja, por exemplo, o companheiro da mãe. Ninguém sabe como chamar o filho da mulher do pai. Também não há um vocábulo que permita distinguir o filho comum frente aos filhos de cada um do par, frutos de relacionamentos anteriores. Claro que os termos madrasta, padrasto, enteado, assim com as expressões filho da companheira do pai, ou filha do convivente da mãe e meio-irmão não servem, pois trazem uma forte carga de negatividade, resquício da intolerância social.

É chegada a hora de se encontrar uma nova terminologia para as novas famílias, chamadas por muitos de reconstituídas, recompostas ou reconstruídas. Como geram entre seus membros um vínculo de afinidade, a sugestão de Waldyr Grisard é acrescentar a palavra afim, portanto, pai afim, mãe afim e até filho afim. Difícil aceitar tais composições que não se revestem de sonoridade. De qualquer forma, persiste o desafio de encontram nomes que identifiquem as relações em que o casamento não é o elemento essencial para definir a família e a verdade biológica não serve mais como fator exclusivo para determinar os laços de parentesco.”

Anúncios

moral na lata do lixo

Padrão

agora é oficial: pela primeira vez um namorado diz que eu tô gorda. vou ali perguntar à minha mãe como faço pra pesar 50 quilos de novo, e aproveito pra perguntar se alguém aí sabe como se reconquista a auto-estima perdida.

vou jogar fora todas as minha saias e vestidos coloridos e só vou usar calça preta daqui pra frente. calça preta reta.

bem, isso até eu ter um filho, contratar um personal trainer maravilhoso, passar todas as minhas manhãs na academia, passar no concurso de procurador da república e ir ser gostosa em algum lugar desabitado. e é porque eu sou contra intervenções cirúrgicas, viu!

na sé é muito mais gostoso

Padrão

semana passada fui a um “festival gastronômico” na torre malakof que se propunha a revisitar a “culinária de rua” com a ajuda de chefs famosos. “culinária de rua” é eufemismo para “comida de pobre”, então eu pensei que pelo menos uma macaxeira gostosa eu teria. não como miúdos, não gosto de bode, tenho horror a mão de vaca e buchada; meu paladar infantil não suporta a combinação gordura + cheiros fortes + pedaços de algum animal. mas, poxa, comida nordestina também envolve um inhamezinho, um cuscuz, uma sopinha gostosa de feijão. qual o quê: no final da noite, tudo o que comi foram dois pedaços de queijo coalho assado na brasa pelo próprio cesar santos. e não era um queijo coalho conceitual, diferente, era queijo mesmo, desses que eu como assado no fogão de casa. e ainda estava meio cru por dentro.

aí o questionamento-mor do evento partiu de loulou: pra que um chef famoso assando queijo de coalho?

boa pergunta, luciana. é por isso que saímos de lá e fomos comer sanduíche de carne louca no central.

melhorar pra quê?

Padrão

Quer saber? Eu tenho um emprego legal, ganho decentemente, pra que eu vou me matar pra ser mandada, se tudo der certo, pro final do quinto dos infernos? Eu vou é curtir minha vidinha boa de oficial de justiça do trabalho, com todo o meu tempo disponível, com meu trabalho divertidíssimo, com minha vara divertidíssima. Eu vou é curtir meu marido amado, meus enteados, meus amigos. Vou é ter um filho, comprar um apartamento em trezentas milhões de prestações, viver uma vidinha pacada e suburbana.

E vou estudar só por diversão, porque é legal.

só banho de sal grosso

Padrão

tô tão cansada e estressada, tão tensa, tão irritada, que me sinto numa tpm infinita. tudo parece acontecer para me atrapalhar o juízo. parece que não faço nada bem feito no meio da correria, e tudo fica pela metade, meio que nas coxas, nunca do jeito que eu queria fazer. tem sempre algo mais que tem que ser feito. tem que ir na academia mais um dia, correr mais uma hora, ir no supermercado, fazer as unhas (que eu també sou gente), tem que ir na festa da amiga, tem que resolver os problemas domésticos, tem que sair com as crianças, e tem que trabalhar, trabalhar, quando eu preciso MUITO estudar, estudar, estudar. cheguei à conclusão de que, ou eu largo esse concurso de mão de vez – e me recolho à minha insignificância – ou eu mando todo o resto à merda e me tranco em um quarto de hotel por um mês. mas isso também não adianta porque não há garantias de tipo tempo x de estudo = aprovação. eu só tô muito cansada de ficar sempre esperando que a minha vez chegue.

André Mussalem. Para Shylock.

Padrão

Quantos mundos existirão entre um homem e seus gatos?
quanta assimetria, segredos, confissões
levaram esse que sou a amar
algo tão alheio, tão diverso e ao mesmo tempo próprio
tornar-me o animal de estimação dessa grande ausência
e deixar-me encoleirar por saudade tão diversa

Quantas cidades, quantas pessoas, quantas antlântidas submersas
existirão entre um homem e seus gatos?
Nesse espaço vazio que se assenhora de mim
fica a capacidade de amar o plural
rendido, inutilmente rendido, a um mundo sem animais
bestialmente humano, com essa dignidade reles e torpe
sem os olhos noturnos que contêm o que ainda há de sagrado:
eu me preparo para morrer sem lenda, sem metafísica
pois os homens são, sabem os bichos
os únicos serem que morrem e mais nada.