Arquivo mensal: setembro 2008

embrujo

Padrão

aí você vai ver antonio marquez e pensa que deveria ter largado tudo pra virar bailarina de flamenco aos 17,mas inventou de estudar direito e agora fica babando da platéia, acompanhando com palminhas.

Anúncios

buda

Padrão

bem que achei que o colégio vizinho andava tranquilo demais. passado o são joão e o dia dos pais, recomeçou o inferno da professora gritando do microfone para ensaiar o que, suponho, seja algum tipo de apresentação para a abertura dos jogos internos (se be que acho que já tivemos uns 5 eventos desse tipo de janeiro pra cá).

essa mulher deve ser alguma espécie de santa.

enquanto

Padrão

não gosto quando vais embora.
o beijo deixado em direção oposta à porta…
tenho medo de que não voltes.

enquanto os afazeres te aguardam do lado de fora
é algo adormecido aqui dentro
que me chama, que pergunta se estou mesmo segura.

muitas vezes te espero na varanda,
pescando escondida se voltas pela calçada.
às vezes chegas assobiando (e não preciso mais olhar!), às vezes de cabeça baixa,
e eu, com medo, às vezes tenho medo que um dia chegues chorando.

gosto de chegar, sabendo que estás aqui.
gosto de tocar a campainha, sabendo que vais abrir a porta.
gosto de ficar, sabendo que vais, mas logo logo voltas.
gosto de sair, sabendo que ficas feliz, em paz, em mim.

Gabriel Garcia Márquez. Do amor e outros demônios.

Padrão

– É mulher – disse a parteira. – Mas não vai viver.

Foi então que Dominga de Adviento prometeu a seus santos que se lhe fosse concedida a graça de viver não se cortaria o cabelo da menina até a noite do casamento. Mal acabava de fazer a promessa, a criança começou a chorar. Dominga de Adviento, triunfante, exclamou:

– Será santa!

O marquês, que só a viu depois de lavada e vestida, foi menos vidente.

_ Será puta – disse. – Se Deus lhe der vida e saúde.