Arquivo da categoria: jura?

freio de arrumação, como diz meu pai

Padrão

Fase: voltando a vida ao normal.

Ainda me sinto perdida com a ausência do stress, mas agora ando a dedicar meu tempo livre aos pequenos prazeres domésticos:

1) arrumando a casa (tem tanto a fazer que acho que não consigo nem começar direito)

2) voltando a ser gente (fazer as unhas, por exemplo, voltar aos exercícios, passear com  o cachorro, trocar os óculos e voltar a usar lente de contato)

3) encontrando mais os amigos (se bem que loulou tá meio sem tempo, mas ainda consegui ver Dani Arrais no domingo! :*)

4) voltando a cozinhar!!!!!!!!!

5) passando mais tempo de qualidade com família (principalmente com mari e as crianças)

e, como ninguém é de ferro,

6) começando a pensar em matutar sobre os novos projetos!!

prontofaleiacabou

Padrão

Depois de meses na mais absoluta reclusão, cercada unicamente de livros e preocupações, depois de metade do meu cabelo cair de stress, depois de me tremer de cima a baixo pra fazer a prova oral, bem, voltei à vida, passei no concurso, e agora tudo pode voltar ao normal. até que tudo mude novamente, e eu tenha que me adaptar. achei que a sensação de dever cumprido fosse me relaxar mais, mas a verdade é que quando você passa muito tempo num nível de stress tal, demora mesmo pro corpo, e principalmente pra cabeça, voltar ao normal. no dia seguinte ao resultado acordei às 5 da manhã, como se ainda tivesse que estudar. ainda pego um romance pra ler e me sinto culpada e cansada, e logo o ponho de lado pra fazer alguma coisa “mais útil”. meu marido diz que estou viciada em stress, o que, francamente, acho que é verdade. se alguma coisa não estiver me preocupando, eu arranjo logo logo um problema pra resolver.

mas quando eu me lembro de todo o caminho que percorri, o alívio é maior que a felicidade. nem quero festejar. e eu só quero silêncio, silêncio, silêncio. só quero poder dormir. só quero poder trabalhar. só quero poder ficar com minha família, sem ter que me desculpar. só quero almoçar com meus amigos. só quero ser eu mesma, porque esse – essa fidelidade – é o título que eu mais almejo.

pra edgar

Padrão

Se você crê em Deus
Erga as mãos para os céus
E agradeça
Quando me cobiçou
Sem querer acertou
Na cabeça…

Eu sou sua alma gêmea
Sou sua fêmea, seu par
Sua irmã
Sei jeito, seu gesto
Sou perfeita porquê
Igualzinha a você
Eu não presto!
Eu não presto!…

Traiçoeira e vulgar
Sou sem nome, sem lar
Sou aquela
Eu sou filha da rua
Eu sou cria da sua
Costela…

Sou bandida
Sou solta na vida
E sob medida
Pr’os carinhos seus
Meu amigo
Se ajeite comigo
E dê graças a Deus…

Se você crê em Deus
Encaminhe pr’os céus
Uma prece
E agradeça ao Senhor
Você tem o amor
Que merece…

Traiçoeira e vulgar
Sou sem nome, sem lar
Sou aquela
Eu sou filha da rua
Eu sou cria da sua
Costela…

Sou bandida
Sou solta na vida
E sob medida
Pr’os carinhos seus
Meu amigo
Se ajeite comigo
E dê graças a Deus…

Se você crê em Deus
Encaminhe pr’os céus
Uma prece
E agradeça ao Senhor
Você tem o amor
Que merece…

mau humor

Padrão

é quando você acorda de manhã e tudo parece estar fora de seu lugar. quando nada sai do seu jeito. quando você sai atrasada de manhã. quando você lembra das merdas que fez. quando você lembra do que deveria ter feito e não fez. quando você vê as fotos de seus amigos na europa e lembra de seu próprio liseu. quando você não consegue entender porque está lisa. quando você tá se matando de fazer exercício pra perder, o que, uns 500 gramas. quando você tem vontade mesmo é de pegar uma gripe e passar  uns 2 dias de molho sem nem sair do quarto, esperando o mau humor passar.

aditivos pra quê?

Padrão

odeio botar combustível no carro. na minha cabeça, eu deveria poder chegar no posto, pedir 50 reais de álcool, e ir embora. Mas não.

começou com um “dar uma olhada na água e no óleo”… bem, o óleo eu sei pra que serve, mas e a água? Eu fico com medo de descobrirem algo horrível no carro (= gastos e dor de cabeça), e sempre agradeço e digo que estou com pressa (o que é verdade, 100% do tempo).

aí passaram a perguntar se eu não queria botar a gasolina aditivada, enquanto desfiavam todas as maravilhosas qualidades desse combustível. sempre agradeço e digo que fica pra próxima.

então oferecem água e cafezinho, que eu também nunca aceito. jornal, troca das paletas do vidro, troca do extintor de incêndio, aditivo de motor, calibragem de pneus, lavagem grátis com 15 carros na fila…

fico estressada. estou com pressa, quero apenas alguns litros de qualquer coisa no tanque pra ir embora. mas a verdade é que eu sempre saio do posto com a certeza de que, a qualquer minuto, o carro vai quebrar porque eu sempre agradeço e vou embora, achando que o bicho não precisa de nenhum mimo pra andar sozinho.