e o gol nem foi anulado

Padrão

domingo fui ao meu primeiro jogo de futebol. quer dizer, meu pai já tinha nos levado ao jogo do Brasil, aquele que teve no arruda há muitos anos, em que a seleção fez um montão de gols. toda a minha experiência futebolística termina aí.

esclareço logo que não gosto de futebol. não consigo entender o fanatismo. a minha vida não muda em absolutamente nada no evento do náutico ganhar, ou do sport empatar. só consigo ver importância nisso pros jogadores, que afinal de contas ganham dinheiro demais pra ficar ziguezagueando por um gramado atrás de uma bolinha.

mas, depois de veementes pedidos, e sob a garantia de loulou de que o jogo era tranquilo (time de fora) e que as pessoas em geral são bem apessoadas, capitulei. botei lá a camiseta que meu marido me deu há um ano e que nunca tinha saído do armário e enfrentei o processo.

chegando lá, tentei me controlar: era toda uma multidão. tivemos que comprar ingressos no cambista, a um preço que, bem, poderia ter sido gasto em coisas mais importantes. mas fui. depois de ser praticamente levada para dentro do estádio pela turba insana, só me restava tentar achar um lugarzinho minimamente seguro pra assistir o negócio se desenrolar.

e eu nem prestava atenção da bola. escutava a profusão riquíssima de palavrões. o povo xingava o juiz, os jogadores do time, os jogadores do outro time, a outra torcia. tinha xingamento que eu nem conhecia! enfim, era toda uma catarse coletiva de raiva reprimida. se eu fosse mais bem analisada, teria gritado todos os palavrões que tenho vontade de gritar todos os dias e hoje talvez eu fosse até mais feliz. mas eu sou educada e tento canalizar a minha raiva difusa em atividades mais produtivas, como estudar para concursos públicos e ler o blog de katylene. fiquei só observando.

o fato é que, assustado com a perspectiva de ter que me tirar do estádio com uma torcida raivosa bloqueando as saídas, meu marido resolveu deixar o local mais cedo. não tinha mesmo razão pra esperarmos o fim do jogo, porque a derrota do time era certa (e, a julgar pelas imprecações, só posso dizer que acho que o time deve ter jogado mal mesmo).

foi então que, ao alcançarmos a rua, ouvimos os gritos dos torcedores felizes. eu, no meu primeiro jogo de futebol, nem pude me irmanar ao coletivo gritando gol.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s