barata tonta

Padrão

eu às vezes me sinto a mulher mais burra da face da terra, e acho que, não importa o quanto eu estude, algumas coisas eu simplesmente não consigo aprender do jeito que eu tenho que aprender. morro de inveja desses gênios que, quase sem fazer força (ou fazendo muito menos que eu), conseguem dar conta de qualquer empreitada. têm ótimos empregos, fazem mestrado, doutorado e phD, e ainda têm muitos amigos, e família e filhos.

minha enteada às vezes me pergunta por que eu estudo tanto, e minha resposta é sempre “porque estudar é muito bom”, ou “porque a gente tem que estudar muito pra ficar bem sabida”. na semana passada ela perguntou se eu estava estudando pra ficar “mais inteligente do que papai”. não sei mais o que responder, mas pra mim mesma eu respondo: “porque eu sou burrinha!”.

o negócio é que me dei conta de que as coisas na minha vida acontecem meio que de cabeça pra baixo. parece que, para chegar em algum lugar, eu tenho que rodar rodar rodar pra voltar pro lugar de onde vim, pra só então poder dar o passo pra chegar onde quero. foi assim em tudo, não seria diferente na profissão. toda vez que lembro das minhas escolhas “erradas” eu penso que poderia ter chegado “lá” tão mais depressa e de forma tão mais indolor. mas aí eu lembro que eu tô na minha vida – e não na perfeição de um roteiro bem acabado – e que eu só chego em algum lugar depois de ter passado pela porta, sem entrar, umas dez vezes. e então eu volto humildemente pros meus livrinhos, e penso que, pelo menos, eu tô sempre andando pra algum lugar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s