meu eu artístico passa fome

Padrão

ultimamente minha vida tem sido uma correria, a ponto das pessoas começarem a perguntar se eu moro no meu carro (considerando a quantidade de tempo que passo lá e de coisas que, consequentemente, levo pra dentro dele). mas na terça eu faltei à aula noturna para ir a um evento cultural lá na Usina Dois Irmãos. uma vernissage organizada por amigos nossos (que são, a propósito, os donos daquele lugar maravilhoso).

e eu lá entendo patavinas sobre arte?  eu me limito a achar bonito, feio,ou assustador. e assustador, aliás, pode ser bem bonito. mas eu acho mesmo é tudo muito caro. minha máscara de refinamento não resiste ao vil metal artístico. pobre pode até gostar de arte, mas não pode comprá-la pra enfeitar sua casa. e por que mesmo a gente tem esse desejo de possuir o belo? o belo não é só para ser apreciado? eu ficaria bem mais feliz em ter a chance de babar as obras do orsay por uma tarde que ter na sala de jantar uma quadro de fulano-de-tal.

o resultado da noite, enfim, foi que botei um vestidinho fashion, fiz cara de crème de la crème e enchi a latinha de espumante. e pra não dizer que voltei pra casa com as mãos vazias, passei no bugaloo pra comer um cheeseburger com bacon antes de dormir.

Anúncios

Uma resposta »

  1. ah, eu bem que queria ter dinheiro pra pôr um fulano de tal na minha parede. mas me contento em imprimir páginas bonitinhas espalhadas pela internet.. haha =*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s